Início > Artigos > A performance da Educação a Distância – Censo 2008

A performance da Educação a Distância – Censo 2008


O ensino a distância (EaD), definido pelo Ministério da Educação (MEC), a partir do Decreto n. 5.622 de 19 de dezembro de 2005, constitui-se na modalidade pela qual a mediação didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.

A oferta de cursos de graduação a distância demanda amplo conhecimento tecnológico e atendimento aos requisitos verificados pela secretaria de educação a distância, cabendo às IES públicas e privadas investirem continuamente em plataforma tecnológica e capacitação docente para sua operacionalização.

Nesta perspectiva, o censo da educação superior de 2008 demonstrou:
· A oferta de 647 cursos de graduação oferecidos por 115 Instituições de Ensino Superior;
· A predominância dos cursos de licenciatura, representando 53,2% dos cursos oferecidos nesta modalidade;
· O crescimento de 96,9% das matrículas em cursos de educação a distância, comparado ao ano de 2007;
· A representatividade de 14,3% em relação ao total das matrículas no ensino superior em 2008;
· O número significativo de 70 mil alunos concluintes na graduação na modalidade EaD em 2008.

Por outro lado, o site censo ead.br que avaliou não só a graduação, destaca que o índice médio de evasão nessa modalidade foi de 18,5%, sendo que a região norte detém o maior índice, 27,8% e a região sul, o menor índice, 14,8%. Do total de matriculados, 37% estão na pós-graduação, 26,5% na graduação tradicional e 34,6% em cursos superiores de tecnologia ou cursos de complementação de estudos.

O estudo revela ainda que 80% dos matriculados localizam-se na região sudeste e destes, igual percentual estão vinculados a IES particulares. Na região norte e nordeste ocorre o contrário; 80% estão matriculados em IES públicas, o que tem gerado interesse de grupos internacionais em investirem na educação a distância nestas regiões, cuja demanda reprimida aguarda ser atendida.

A mobilidade dos alunos é um fator a ser considerado nesta modalidade de ensino, pois 42% dos matriculados em educação a distância residem em outro estado que não aquele de origem da IES, a faixa etária que prevalece é a de alunos com idade entre 30 a 34 anos.

Nesta modalidade de ensino é imprescindível a inovação tecnológica no processo de ensino-aprendizagem, buscando sempre a integração das tecnologias de informação e da comunicação (TICs), ampliando técnicas e métodos didático-pedagógicos para autonomia dos discentes na aquisição de conhecimento. Por outro lado, vê-se a educação a distância como o ‘primo pobre’ do ensino superior
Vale destacar que as IES credenciadas para o oferecimento de cursos, nesta modalidade, ao utilizar como ferramentas as principais e novas tecnologias, ampliam situações de ensino e aprendizagem e reduzem custos operacionais, o que permite resultados em escala.

Em suma, a educação a distância permite:
· A atuação estratégica, didática e econômica, sob o ponto de vista das mídias sociais e da inclusão das classes sociais menos favorecidas no ensino superior;
· O aproveitamento de novos nichos e novas oportunidades de mercado, trazendo para o meio universitário, profissionais que não despendem de tempo para concluir seus estudos ou cursar uma nova graduação;
· A operacionalização do ensino de massa, com custo otimizado e o ganho em escala;
· O desenvolvimento da tecnologia da informação e infraestrutura (suporte tecnológico, em especial internet/intranet e sistema via satélite);
· A definição de foco, no qual as grandes IES estão propensas a oferecer cursos mais populares na modalidade presencial e a distância e as pequenas e médias IES na atuação em áreas/cursos específicos na modalidade presencial;
· A oferta pelas pequenas IES, de cursos a distância em parceria com grupos e redes educacionais credenciadas para oferecer essa modalidade de ensino.
· A oferta de cursos in company resultando em novos negócios;
Nota-se que tanto a educação a distância, quanto a educação presencial têm espaços para crescer e se desenvolver. O desafio é a compreensão do papel, do posicionamento e do foco, associada ao público-alvo a ser atingido.

A semipresencialidade é o exemplo de que um sistema hibrido também tem seu lugar neste cenário. São esperados processos de fusão desses sistemas de ensino. É essa a atual tendência das IES focadas no futuro, que não se restringe apenas aos formatos tradicionais, mas que considera as novas gerações, os atuais nativos digitais.

Portanto, viabilizar o acesso ao ensino de qualidade, a captação e retenção dos alunos é essencial. A representatividade dos cursos e IES credenciadas para o ensino a distância tende a se consolidar. As matrículas continuarão crescendo e o próprio mercado selecionará o “joio do trigo”.

Categorias:Artigos Tags:
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: